Apontamentos sobre política, economia, educação, sociedade e outros, com afirmações contraditórias, ou não, a que a razão chega quando se pretende determinar a natureza da sociedade que temos e onde vivemos.
publicado por M. Rodrigues | Domingo, 29 Maio , 2011, 23:40

Livro a não perder.

 

Leitura acessível que ajuda a compreender a razão da situação em que Portugal se encontra dando sugestões para vencer a crise nacional. Ilustrado com gráficos muito claros e concisos.É também um bom livro para consulta.

 

 

 


publicado por M. Rodrigues | Domingo, 29 Maio , 2011, 23:31

 

ESTADO SOCIAL E INFORMAÇÃO

 

Não é raro ouvirmos dizer de forma simplista  que se está numa guerra  terrível entre os defensores do Estado social e dos outros os que o querem destruir. Afirmações que mais não pretendem do que aterrorizar o povo português, mal informado e com um grau de iliteracia muito grande, que apenas discute futebol em momentos tão decisivos para todos. É fácil convencer um povo que, como se sabe (e eles também) tem memória curta.

 

SOCIALISMO NA GAVETA

 

Em Portugal os dois maiores partidos nunca estiveram tão afastados um do outro nas suas posições. Se bem nos lembramos, em campanhas eleitorais após o 25 de abril, houve quem afirmou que o partido socialista tinha "metido o socialismo gaveta" e, muitas das vezes, passou a ser chamado de  social democrata.

 

A atual "versão" do partido socialista é acérrima defensora do estado social que, diga-se, durante os últimos seis anos começou a desmantelar. O que não admira. Esta é, de facto, a política de José Sócrates, dizer que faz uma coisa e, passado algum tempo, dizer o seu contrário.

 

O NEOLIBERALISMO

 

Alguns dos princípios básicos do neoliberalismo  estão presentes no documento que os negociadores do plano de ajuda que qualquer que seja o governo vai ter que  concretizar e operacionalizar. É por isso que o programa do partido socialista é vago e sem detalhes. Forma que é já bem nossa conhecida, esconder a realidade e nunca falar verdade aos portugueses como têm feito até aqui.

 

TUDO SE DEVE À CRISE INTERNACIONAL!

 

A crise a que chegámos, para além da parte que cabe à crise internacional, é da responsabilidade dos partidos que nos governaram anteriormente  e cujos erros estruturais anteriores  não conseguiram corrigir. Pelo contrário, o governo de José Sócrates que, em vez de corrigir os erros do passado, agravou a situação nestes últimos sete anos com o rumo que nos conduziu à atual situação.

 

A TROIKA, O REAL E O VIRTUAL

 

Interessa neste momento a Sócrates esconder mais uma vez a realidades atraindo para uma armadilha os eleitores que nele votarem. É por isso que acusa os seus opositores mais diretos de neoliberais, mas ele sabe que vai ter que aplicar as medidas impostas cuja base é neoliberal. Ou será que o tal PEC IV, que tanto gosta de comparar com as medidas da "Troika", são socialistas e defendem o Estado Social?  Com os partidos chamados por José Sócrates de neoliberais já sabemos com o que contamos. O que me apavora não são os neoliberais, é o apego ao poder de José Sócrates  e dos "seus socialistas" que já nada têm a oferecer ao país e ao povo.

 

AS PROMISCUIDADES ESTADO E PRIVADO

 

Num artigo de Henrique Monteiro, li no Expresso de 14 de maio o seguinte: "Hoje, pensionistas, trabalhadores, pequenos empresários e agricultores vêm-se obrigados a ter  de pagar o dinheiro que o Governo desperdiçou. Mas não foi com pensionistas ou trabalhadores que houve derrapagens e se cometeram excessos. Foram, sim, estradas inúteis, consultadorias inúteis, propaganda inútil  e "boys" inúteis que deram cabo do país. Além das inúmeras promiscuidades - com banqueiros, especuladores, Joes Berardos diversos, empresas do regime, ditadorzecos vários, etc. - que em nada contribuíram para o louvado Estado social e apenas minaram a coesão do país ".

Por tudo isto, de quem tenho medo é  de uma nova tomada do poder  em Portugal pelo "Chapeleiro Louco" que vive no mundo de "Alice no País das Maravilhas"


publicado por M. Rodrigues | Domingo, 29 Maio , 2011, 21:53

Há momento em que devemos

destacar-nos do clube

Um clube, segundo o  dicionário da Porto Editora, é uma associação criada para ajudar os seus membros na prática de atividades recreativas, desportivas ou culturais ou, ainda, local de reuniões de natureza cultural, política ou recreativa.


A maioria dos cidadãos terão com certeza o seu clube de futebol preferido. A vivência clubista, não raras vezes, dá lugar a rivalidades entre os seus associados,  adeptos e apoiantes, nomeadamente, no que se refere às claques dos principais clubes. Também são frequentes discussões entre pessoas de clubes diferentes quando se coloca em causa o clube que se apoia. Abandonar ou mudar de clube é considerado deslealdade e quem muda de clube é apelidado de "vira casacas". Associados mais exaltados até rasgam o cartão de sócio num momento de exaltação. Apesar de profundo desgosto é desleal aos princípios clubistas mudar de clube, mesmo quando perde um ou vários jogos e deixa de ficar em posição de destaque na classificação.

 

 Vive-se o clube de tal modo que, por vezes, se retiram dias a férias, pede-se dispensa do trabalho ou sacrifica-se algo em troca de uma ida ao estrangeiro para o acompanhar.

Assinam-se canais desportivos de televisão e até canais privados de clubes onde se esmiuçam os jogos até à exaustão, sempre numa perspectiva egocêntrica, para regozijo dos seus associados e adeptos.

  

Por estranho que pareça, na política também existe clubismo. Temos os militantes dos partidos que vivem o partido e lutam por ele em qualquer circunstância, mesmo quando os seus líderes tenha causado os maiores prejuízos, quer ao seu próprio partido, quer ao país quando estão no governo. Identicamente aos associados e adeptos dum clube de futebol também é raro haver  militantes/associados de partidos que deixem de ser militantes  quando ele não ganha eleições ou quando frustra as suas expectativas. A maioria  continua a apoiar o seu partido mesmo em circunstancias adversas.


A política não é apenas feita pelos militantes, nem os governos são eleitos apenas por eles. Em democracia são os cidadãos eleitores, nos quais aqueles também se incluem, que decidem o governo que querem e em que circunstâncias. Mesmo os que não votam decidem pela abstenção que os outros escolham por eles. Na opção do sentido de voto também há clubismo, neste caso, partidário. Podemos estabelecer uma analogia com os clubes de futebol. Quando um cidadão elege um partido que nos vai governar a todos durante quatro anos, a tendência tem vindo a ser "conservadora no sentido do voto", isto é, votar sempre no mesmo partido em que sempre votou. Tal como num clube de futebol está em causa a tendência clubista. Está em causa a consciência de cidadão eleitor que não quer ser  desleal  e "vira casacas" em relação ao partido em que sempre votou, mesmo que  este não tenha cumprido os objectivos para que foi eleito e tenha frustrado todas as expectativas.


Votar num partido que nos vai governar não é o mesmo que ser leal a um clube de futebol em que perder ou ganhar pode dar tristezas ou alegrias, mas não vai modificar a nossa forma de viver, nem melhorar ou piorar o nosso sistema social, nem vai resolver os problemas que o país atravessa. Deste modo, eleger outro "clube" que nos governe, não é ser desleal nem "vira casacas" . É isso a democracia a capacidade de os cidadão poderem, quando assim o entenderem, mudar quem está no poder sem receios de termos a sensação de trair aqueles em quem sempre votámos. No futebol não podemos decidir o resultado de um jogo. Quando muito podemos apoiar o nosso clube para que ganhe, mas o resultado não depende de nós. Em política podemos sempre mudar o resultado quando, para tal, somos chamados.


O clubismo nas eleições padece de um síndrome da direita que, em sentido figurado, é um conjunto de sinais ou características associados a uma situação crítica e causadores de receio ou insegurança. É esta síndrome que alguns partidos exploram até à exaustão, fazendo passar mensagens distorcidas. A direita em Portugal, apesar de alguns erros, nunca fez tão mal ao país  como a esquerda que nos tem governado durante os últimos anos. Por isso há que mudar os dirigentes do clube, isso podemos nós todos fazer sem receio que nos chamem "vira casacas".


publicado por M. Rodrigues | Domingo, 29 Maio , 2011, 19:57

Imagem obtida a partir de http://www.pics-and-docs.blogspot.com

/

Se estivermos atentos e reflectirmos sobre o que ouvimos dizer a alguns políticos  poderemos constatar que os de esquerda, nomeadamente o PCP e o BE, atacam o partido do governo, o PS neste caso, dizendo que faz políticas de direita, conotando-o e ligando-o à direita com a qual, segundo eles, está em conluio. Pretendem assim criticar um governo que faz políticas de direita. É  suposto,portanto,  que são contra um governo que ao dizer-se socialista faz políticas de direita. Até aqui tudo bem.  Mas quando o PSD ou o CDS/PP sobem nas intenções de voto, avançam com alguma proposta, mesmo que seja de interesse nacional, ou por outros motivos  atacam o PS de que lado fica a dita esquerda?  Em circunstância de eleições quem atacariam em primeiro lugar? A direita, claro, que é o principal “inimigo” que quer ocupar o poder.

Como é remota a possibilidade de qualquer dos partidos PCP e BE, só ou em conjunto, virem a atingir uma maioria no Parlamento, então, ao terem como objectivo evitar que a direita alcance o poder estão a assumir que é preferível manter o PS, cujas práticas governativas dizem ser de direita. O mesmo seria dizer que preferem no governo uma direita a outra direita já que os de esquerda são eles. Então em que ficamos? Talvez esperar que o PS, se voltar a ganhar as eleições e mudar o governo, traga com ele novas políticas de esquerda. Trará de facto?!

Não nos iludamos, se a direita ganha com ou sem maioria as eleições para a Assembleia da República veremos a esquerda, tacitamente, a alinhar com o PS que para eles, passou a ser esquerda o que era até então de direita.


publicado por M. Rodrigues | Domingo, 29 Maio , 2011, 19:29

 

 

Na sociedade cada um de nós é um ator que representa vários papéis.  A noção de papel constitui uma ponte entre as perspectivas psicológica e sociológica porque supõe um nível individual e um nível colectivo. Num certo sentido, os papéis preexistem ao agente sob a forma de conduta em função de um determinado estado e de uma determinada situação.

Cada sujeito assume o seu  papel segundo o seu próprio estilo. Deste modo, existe num grupo organizado uma repartição de papéis que preexiste às pessoas e no interior dos papéis, a que não são displicentes os problemas das atitudes, uma vez que cada um desempenha o seu papel de acordo com a sua atitude pessoal.

 

Um ator, em cada peça ou até na mesma peça, pode representar personagens diferentes em função do guião.  Poderemos exemplificar com casos de alguns dos nossos políticos e governantes. Quando estão em momento de campanha eleitoral a mudança de atitude e de comportamento ajustam as suas intervenções à nova realidade, com a finalidade de captar votos e fazer inverter a atitude do eleitores que, enquanto governantes, lhes foram desfavoráveis. Psicológica e sociologicamente falando, o drama da comunicação está em tentar que os outros nos "vejam" tal como gostaríamos que eles nos vissem. Após acesso ao poder, a partir do estatuto que foi dado pelo voto esse político, o ator, vai encarnar um novo personagem cujo papel irá ser diferente do que assumiu durante a fase pré-eleitural e eleitoral.

Deixa de ser um papel de candidato e passa ser o papel de governante tendo o objectivo sido atingido, com a consequente mudança de atitude. Um exemplo do que se afirma pode ser observado atentamente pela última entrevista efectuada pela jornalista Judite de Sousa na TVI ao ainda primeiro ministro Eng. José Sócrates. Comparando com outras intervenções anteriores a encenação passou a mostrar a representação de  um novo personagem com nova faceta. Mas, como todos os atores profissionais, quando terminam a atuação no palco voltam novamente a ser como eram antes, eles próprios.


publicado por M. Rodrigues | Sábado, 28 Maio , 2011, 22:41

Afinal o que é que a política tem a ver com a culinária?

Vejamos! Na culinária são utilizados ingredientes e condimentos de para a obtenção dos paladares mais diversificados para que os nosso anfitriões, ou clientes se for  um restaurante, recordem e fiquem satisfeitos. Na nova culinária  experimentam-se, reformulam-se e combinam-se ingredientes para resultarem em novos sabores e experiências gastronómicas.

 

Na política também são utilizados e misturados ingredientes (palavras, chavões, frases feitas) para atraírem clientelas para os  pratos prometidos durante as campanhas eleitorais.

Assim como há cozinheiros muito hábeis e inovadores na criação de receitas, há também alguns políticos que sabem manipular e combinar ingredientes e condimentos  para os seus potenciais clientes,  alguns deles já sem paladar. Acabam afinal por consumir o que está na ementa que se mantém  há  meses ou anos. Quando assim é o melhor é mudar de restaurante. O que faríamos se uns nossos amigos nos convidassem para jantar num restaurante onde já tínhamos estado anteriormente onde, para além da comida mal confecionada apanhámos uma intoxicação? Provavelmente declinávamos diplomaticamente o convite  e sugeríamos a escolha de outro local para o nosso jantar.

 

 

Já agora uma receita

 

 

A culinária também tem aqui o seu espaço, visto ser uma transversalidade cultural: atravessa várias sociedades e culturase e, atravessando a história é também longitudinal. Um dos meus hobbies, para além de investigar e escrever umas coisas, é cozinhar e experimentar receitas, alterando umas inventando outras.

Existem imensas formas de confecionar bifes. Um dia coloquei-me a seguinte questão: será que os morangos darão para acompanhar carne? Resolvi experimentar. Assim, vou sugerir-lhes  bifes da vazia com molho de morangos para duas pessoas. É possível utilizar outro tipo de carne desde que seja macia.

 

Partilha gastronómica: bife da vazia com molho de morangos

 

 

 

Ingredientes:

  

2 bifes da vazia ou outra carne

 

200 g de morangos

 

1 cebola pequena

 

1 dente de alho

 

Azeite q. b.

 

1 Colher de manteiga

 

1/4 de natas

 

1 Cálice de vinho do Porto

 

Folhas de manjericão fresco q.b.

 

Sal q.b.

 

Pimenta q. b.

 

1 Colher chá de sumo de limão

 

  

Confeção:

 

Pique a cebola

 

Pique o dente de alho

 

Lave os morangos e tire-lhe o pedúnculo e corte-os em pedaços

 

Leve ao lume a cebola e os alhos a refogar com o azeite até a cebola ficar transparente.

 

Refresque com  o vinho.

 

Junte os morangos.

 

Deixe ferver até os morangos estarem moles.

 

Dei-te num copo de varinha mágica, junte as folhas de manjericão  e triture até ficar tudo liquefeito e reserve.

 

Frite lentamente os bifes num pouco na manteiga sem ficarem demasiado passado. Tome atenção que os bifes da vazia se perdem muita água ficam secos.

 

Retires os bifes e tape para não arrefecerem.

 

Deite na frigideira o preparado do molho liquefeito e deixe ferver em lume brando.

 

Junte depois as natas e mexa lentamente.

 

Retifique o sal e a pimenta.

 

Prove. Se estiver muito ácido deite um pouco de açúcar, se extiver adocicado deite uma gotas de limão.

 

Coloque os bifes nos pratos de ir à mesa e cubra com o  olhos de morangos sobre parte dos bifes e salpique os lodos prato.

 

Acompanhe com batatas recheadas com queijo creme e assadas no forno ou com vegetais salteados.

 

Assine com um morango e uma folha de manjericão.

 

 

 


publicado por M. Rodrigues | Quinta-feira, 26 Maio , 2011, 23:23

 

 

O Cão de Sócrates

 

O Cão de Sócrates de António Ribeiro, pseudónimo do autor, da Editora Esfera dos Livros, é um livro agradável com muito humor à mistura e de fácil leitura. De leitura obrigatória, mesmo para quem disconcorde da orientação que o autor imprimiu à obra. A abertura ao pensamento dos outros, mesmo que não concordemos, também faz parte da democracia.


publicado por M. Rodrigues | Quinta-feira, 26 Maio , 2011, 22:09

Agora a culpa da crise é dos cidadãos e das famílias que se endividam. Começa a não haver paciência para ouvir alguns comentadores políticos, alguns deles autênticos cata-ventos nas suas análises políticas.

A culpa da crise era a crise internacional, depois passou a ser da oposição, os especuladores eram os culpados, a Alemanha passou a ser a causadora dos nossos males, agora, está na ordem do dia, tentar justificar a crise culpabilizando as famílias que se endividaram para viver acima das suas possibilidades. É possível que para uma minoria seja assim. Muitos dos senhores a quem foram dados os votos para nos governarem, acusam agora os que os elegeram de serem os causadores da crise porque, segundo eles, como nos endividámos muito junto à banca, temos agora que pagar ao estrangeiro o dinheiro que fomos pedindo. Por este diapasão acertam também os seus instrumentos argumentativos muitos dos comentadores de serviço, que mais parecem cata-ventos, quem sabe à procura de uma oportunidade que algum vento lhes traga.

Muitas famílias endividam-se para poderem comprar casa. Mas porque se compra casa e não se aluga? Pois é! Mas qual é o preço do aluguer de uma casa com condições para se viver com dignidade em função dos rendimentos auferidos ? Ou será que não ser teria que pagar o aluguer? Para além de o mercado de aluguer ser quase inexistente, o preço pago por um aluguer de uma habitação da mesma classe de construção e de localização, seria pouco menos ou, em alguns casos mais elevado do que  o pagamento mensal a efectuar a um banco por um financiamento para aquisição de habitação, com a vantagem de que está a pagar para um investimento efectuado a longo prazo.

Por outro lado, dinamizando o mercado de construção para arrendamento, os construtores teriam que se financiar na banca (esta teria de se financiar também no exterior) passando a haver outro tipo de endividamento, pois que o investimento para arrendamento só tem retorno a longo prazo.

Do ponto de vista dos referido senhores os cidadãos portugueses são todos uns perdulários que gastam sem critério e mais do que  produzem. Quem fez as leis que possibilitam que assim seja?

Ou bem que estamos numa economia de mercado, ou bem que se devia socializar tudo até a liberdade de escolha dos cidadãos. Não, a culpa não está no povo, nem nas famílias, nem nas empresas, está em quem nos governou nos últimos anos. Mas, pensando melhor, foi o povo que os elegeu que como tal tem de facto a culpa.


publicado por M. Rodrigues | Quinta-feira, 26 Maio , 2011, 22:08

A diferença entre um congresso do partido comunista da ex-União Soviética e o último congresso do Partido Socialista Português é muito ténue. No primeiro não havia oposição interna nem externa, diga-se, mas, caso existisse, seria neutralizada com expulsão ou até prisão. Eram congressos monolíticos e autistas. No segundo caso, as vozes discordantes ou de oposição são boicotadas  por processos mais ou menos sofisticados. Veja-se o caso do militante Rómulo Machado que foi vaiado e que responsabilizou a mesa do congresso por ter colocado a sua intervenção numa hora em que o congresso estava quase vazio, sem a presença de Sócrates e sem atenção dos media. Aliás, este tipo de atitude  é o que tem vindo a presidir no partido socialista e no governo do Sr. Primeiro Ministro José Sócrates. Recorde-se o caso que se passou na Assembleia da República, quando da discussão do PEC IV, quando o Ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, sai ostensivamente quando Manuela Ferreira Leite ia discursar, (coincidência?) regressando posteriormente, o que revela  uma incapacidade para ouvir vozes críticas.

Mas de que falava afinal o militante socialista Rómulo Machado? Fazia voz do que o cidadão minimamente informado já sabe, como seja, que, apesar da crise internacional, foi José Sócrates que nos colocou nesta situação e  que não será ele que nos vai tirar dela. Por isto foi vaiado pelos poucos que se encontravam presentes, o que veio a ser objecto de notícia no Financial Times, jornal económico com grande credibilidade.

Não seria de admirar  que, à semelhança do que se tem dito para outros casos, alguns dos militantes  e apoiantes deste partido socialista passem a dizer que é um jornal sem credibilidade e que está a mentir.  Aliás, como tem vindo a ser habitual, a culpa é sempre dos outros. Se o FMI cá está a culpa é da oposição, se não estivesse  porque  se colaborou na aprovação do PEC IV, que não nos livraria da situação em que nos encontramos, a culpa era do PSD que tinha também aprovado o PEC IV. Se o Sr. Primeiro ministro José Sócrates tivesse oportuna e antecipadamente pedido ajuda,  como várias vezes foi sugerido, a culpa tinha sido do PSD  que tinha dado o seu apoio. Se analisarmos com cuidado, as posições e falhanços do governo  têm sido sempre a negação de tudo  culpabilizando tudo e todos do que corre mal em Portugal, excepto deles é claro.  Será que todos estão errados e que apenas a "clic" que se apoderou do PS nos últimos sete anos é que tem razão? Tudo isto tem vindo a contribuir para uma descredibilização de Portugal e dos Portugueses através do  últimos governos que delapidaram as finanças públicas. Seria interessante consultar as cerca de 7100 entradas sobre Portugal no Finacial Times, sempre pelas piores razões, como se pode ver em http://search.ft.com/search?queryText=portugal+pensions


publicado por M. Rodrigues | Quinta-feira, 26 Maio , 2011, 22:06

O autismo é "uma alteração comportamental que afecta a capacidade da pessoa comunicar, de estabelecer relacionamentos e de responder apropriadamente ao ambiente que a rodeia". Este conceito pode, muitas das vezes, com o respetivo ajustamento, ser utilizado em política quando os governantes não apreendem a realidade que os rodeia, vivendo num país que existe apenas na sua cabeça, aliados do país real. 

Apesar de muitas das vezes se aplicar aos nossos políticos, vem isto a propósito do que se passa na Líbia.  

 

"Apesar da Líbia se encontrar ainda em melhor situação do que muitos dos seus vizinhos  do continente africano,o declínio súbito do nível de vida tem alimentado o descontentamento crescente para com o regime de Khadafi (…), um homem de negócios que tem encontros regulares com alguns funcionários  Líbios referiu que «toda a gente com quem falo agora reconhece   o regime não funciona e estão todos fartos». Os  diplomatas referem que a agitação se tornou evidente - nas ruas, nas universidades e, o que é mais significativo, nas fileiras do exército (…) Nestes últimos s eis  meses, houve pelo menos seis motins provocados  pela falta de alimentos , várias manifestações de estudantes…".

 

Esta notícia poderia ter saído hoje em qualquer órgão de comunicação social. Contudo, foi retirada de uma reportagem de Michael Ross sob o título "A Líbia de Khadafi" publicada na  Revista do Semanário "O Jornal" suplemento ao nº 582 de 18 de Abril de 1986 há muito fora de circulação.

O que se passa atualmente na Líbia está há muito latente, não é de agora, apenas foi retomado por contágio de forma mais violenta,  pois esteve contida por uma ditadura opressiva e repressiva.


mais sobre mim
Maio 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
21

22
24
25
27

30
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds